sábado, 12 de abril de 2014

Parir sorrindo

Desde que eu soube do caso da Adelir uma inquietação tomou conta de mim, eu precisava falar algo. Vi pessoas chamando-a de egoísta e aplaudindo a ação da juíza e das obstetras responsáveis pela cesárea compulsória. Não vou pedir de ninguém empatia por uma mãe levada em pleno trabalho de parto para o hospital para ser cortada contra a sua vontade, mas vou mostrar algumas informações que, desde que engravidei há sete anos, me levaram à conclusão de que um parto normal e humanizado é o melhor para a mãe e para o bebê.

O primeiro contato que tive com o assunto foi através do livro "Nascer sorrindo", do obstetra francês Frédérick Leboyer:
O livro 'Nascer sorrindo', do Dr. Leboyer, um obstetra francês que usa técnicas inovadoras no parto, defende que, como a criança está envolta por líquido, que abafa o som e a mantém no escuro durante toda a gestação, quentinha, aconchegada, o momento do parto é extremamente traumático para ela. De repente, luz, barulho, frio. Esse choque afeta a pessoa deixando seqüelas irreparáveis em sua personalidade. Por isso ele mantém as salas de parto na penumbra e silêncio. A criança é, depois de 'expulsa', imediatamente envolta de modo a manter-lhe o calor e sua adaptação ao meio externo é feita gradual e lentamente. Depois de alguns meses de aplicação da técnica, foi convocada uma reunião para avaliar os resultados e chegou-se à conclusão de que os bebês nasciam sorrindo, pois o parto se dá sem violência.
A partir daí, comecei a pesquisar sobre o assunto, no Google, no Orkut. Eu também queria que a minha filha nascesse sorrindo. Conheci grupos de discussão sobre obstetrícia baseada em evidências científicas e cada vez mais, vi a importância de me manter firme na minha decisão de ter um parto humanizado. Eu tinha pensado em fazer um texto minucioso, explicando todo o cenário dos partos realizados no Brasil, mas felizmente li o texto da Thalita Pires antes, que explica a situação muito melhor do que eu o faria. Essa é a leitura essencial para compreender o assunto.

Entretanto, gostaria de acrescentar algumas informações:

  • A Organização Mundial de Saúde (OMS) preconiza que o total de partos cesáreos em relação ao número total de partos realizados em um serviço de saúde seja de 15%. Esta determinação está fundamentada no preceito de que apenas 15% do total de partos apresentam indicação precisa de cesariana, ou seja, existe uma situação real onde é fundamental para preservação da saúde materna e/ou fetal que aquele procedimento seja realizado cirurgicamente e não por via natural (OMS, 1996).¹

  • Dados do estudo podem revelar uma estreita relação entre o aumento da prematuridade e a realização de cesarianas. As mais altas taxas são observadas nas regiões mais desenvolvidas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste, enquanto as mais baixas estão nas regiões Norte e Nordeste. Entretanto, para estabelecer essa relação com mais exatidão são necessários estudos mais aprofundados. O Brasil apresenta as mais altas taxas de cesarianas no mundo. Sua frequência aumentou de 37.8% de todos os partos em 2000 para 52.3% em 2010. [...] Para o representante do UNICEF no Brasil, Gary Stahl, o estudo reforça a urgência de esclarecer a relação de causa e efeito entre cesariana e prematuridade. “Isso contribuiria para reduzir a epidemia de cesarianas no Brasil e reverter o quadro de prematuridade.”²

  • Cerca de 70% das mulheres dizem querer parto normal quando estão no início da gravidez, segundo pesquisa do Ministério da Saúde. Entretanto, no fim da gestação, cerca de 80% das mulheres que têm planos de saúde acabam fazendo cesariana. Entre as gestantes do Sistema Único de Saúde (SUS), o número de cesarianas é de 26%.³

  • Os partos por cesariana podem influenciar a taxa de mortalidade entre mães e bebês. A cesárea é uma cirurgia, com todos os riscos de uma intervenção desse tipo e representa uma chance seis vezes maior de a mulher morrer do que com o parto é normal. A cesariana também aumenta a possibilidade de a parturiente contrair uma infecção ou sofrer uma hemorragia. Para os bebês, o risco de eles terem que ir para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) quadruplica. No caso dos nascidos de parto normal, esse índice é de 3% e pula para 12% entre os nascidos por cesariana. Segundo médicos, o trabalho de parto exerce papel fundamental para o desenvolvimento dos pulmões das crianças. As contrações liberam substâncias que ajudam na maturação do pulmão do bebê e estimulam os movimentos de sucção, o que melhora qualidade da amamentação. Como, na maioria das vezes, a data das cesarianas é fixada levando em consideração apenas a conveniência do médico e da mãe, independentemente do início do trabalho de parto, muitas crianças nascem sem estar totalmente prontas, sem os pulmões plenamente capacitados.4

  • Não tenho como convencer a todos que o parto humanizado seja na maioria dos casos a melhor opção, mas é leviano não reconhecer que o sistema obstétrico do Brasil precisa urgentemente de uma grande reforma.

    ¹ Agência Nacional de Saúde Suplementar

    2 comentários:

    Henrique Magalhães disse...

    Nesse campo não me meto porque não tenho nenhuma informação relevante, mas acredito que tenha muita clínica ganhando dinheiro com cesariana, ah isso tem.

    Thaïs Gualberto disse...

    A máfia tá grande, Henrique. Trabalho de parto é demorado, não negócio pras maternidades.