terça-feira, 5 de outubro de 2004

O ano do Cão


- Aim.
- Quê?
- Tudo bom?
- Arram. Indo, e contigo?
- Tá uma porcaria, não lembro de uma época tão triste na minha vida; lembra que eu era feliz? - ho ho ho - Você também não tá legal, e ninguém tá legal. E o mundo tá estranho pra cacete, com uma nuvem negra sufocando pessoas...
- É... O que está acontecendo?
- Sei lá? Eu tô me sentindo uma retardada incompetente. E você?
- Afe... Estou me sentindo surreal; não me sinto mais uma pessoa normal, estou muito musical e cinematográfica. Essa semana estou achando que sou a Björk.
- Hahahahahahahahaha. Aquela chata.
- Heehehehehehe. Às vezes eu acho que sou a Billie Holiday.
- Tudo bem... Às vezes eu acho q eu sou uma vira-lata.
- Afe, por quê?
- Porque eu tô deprimida e não me acho capaz de ser algo nem mesmo dentro de minha própria cabeça.
- Ah. Hum... Ainda bem que eu ainda acho que sou a Björk...
- É. Você tá bem.
- Tudo bem que isso foi depois de ter visto "Dançando no Escuro", mas ainda assim... uma vira-lata não é legal. De quem é a culpa?
- Odeio esse filme. Do Fulano, eu acho.
- HauHUaHUahuahuAH.
- E de mim mesma.
- Mas o que o Fulano tem a ver comigo?
- Ah... contigo... Cicrano, né?
- De quem é a culpa desse ano maligno?
- Aaah. Tu não sabe - heiehiehiehie - o amigo do Fulano que eu conheci quarta, a mãe dele mora em Pipa. E adivinha? Ele passou o reveillon la também. Hehieheiheiheiheie. O mundo só tem seis pessoas e seis lugares.
- Eita. HauahUAHuHAuHUAHUauhhA. Não somos só nós que estamos com problemas, tem um amigo meu que também passou pela primeira merda amorosa esse ano.
- É... Minha amiga foi socada pelo ex, todos estão mal esse ano.
- Pois é, acho que esse é o ano do cão.
- Também acho, a besta está solta. Nunca passei tanto tempo sozinha, sem ninguém pra gostar e gostar de mim.
- Eu nunca levei um pé na bunda que me importasse...
- Eu era lesa demais pra percerber que tinha levado um pé na bunda. Hehehehee.
- Hehehehehe. Fora que não foi só Cicrano. Teve Beltrano, Adriano...
- Então... Comigo também não foi só o Fulano; deixa eu te falar: Juliano, Feliciano, Hermano...
- Pois é...
- Fabiano... Zilhões.
- E provavelmente não somos só nós.
- O Fulano foi o único que me importou realmente, e Juliano. Mas tudo bem.
- Nem o Feliciano?
- O Feliciano só quer me comer... Aaah!
- Que é isso?
- Tô com vontade de gritar. Não vejo a hora que esse ano acabe... Bah.
- Bom... Vou te explicar por que eu estou me sentindo a Björk; quem sabe isso não funciona com você? Tenho andado cinematográfica e musical porque estou levando muito a sério aquele ditado "quem canta seus males espanta". Tem hora que começo a cantar pela casa, e dançar, e pular... Coisa de doido mesmo. Ou de ator em musical. Talvez eu esteja vendo musicais demais...
- Bom... Eu moro num quarto que mal dá pra eu andar, quem dirá dar piruetas. A não ser que eu saia pela rua feito doida. Mas se eu começar a cantar, aí que eu vou lembrar como sou "talentosa".
- Não precisa sair dando piruetas. Heheheheeh. Ora essa, eu canto e acho que posso até entrar pra uma "big band"; cague e ande um pouco pro povo ao teu redor. Só um pouco. Bom, cantar me faz bem, talvez pra você o remédio seja outro.
- Veja bem... Se eu cagar e andar um pouco mais pro mundo ao redor, vou ser expulsa da sociedade.
- Heuheuhueheuheueh. Então não faça isso. Desisto, não nasci pra ser psicóloga nem orientadora pessoal (se é que isso existe).
- Hehehehe. Liga não, _____. É que eu tô precisando de uma coisa; e eu sei o que é. Só que não dá pra rolar, então... fico nessa.
- O mesmo que eu?
- Não sei. Eu tô precisando de um lugar deserto, com o mar batendo numa pedra.
- Hum. Difícil arranjar um lugar deserto e com mar hoje em dia.
- É...
- Até sugeriria (?) Tabatinga, mas infelizmente o adjetivo "deserto" não se aplica mais a ela.
- Heiheiehiehiehiehie. E tá meio longe de mim, né?
- Isso seria no fim do ano mesmo...
- Ehehehehe. Você não quer ir pra Pipa?
- Pipa é deserta no buraco de quem?
- Ehiehieheiheiheiheie. Mas eu não pretendo passar o reveillon no deserto, isso eu preciso fazer antes, em novembro.
- Sei. Então vá pra Argentina! Ou pro sertão, pras montanhas, acampe... HuhuahUAhuHauHAUh. Desculpa, te imaginei acampando...
- Ehiehieheiheiehiehiehiehiehiehie. Sai pra lá.
- Heuehuehueeuehuehueh.
- Eu moro num acampamento, pra você que não sabe.
- Tá.
- E eu não sou fresca.
- Eu não disse que era, não acho que você seja, mas provavelmente não ia se dar lá muito bem num acampamento.
- Ehieheiheiehiehiehieheiheihei. Sei lá, se eu tomasse um ácido ia me dar bem. Ehehehehe.
- Ô; bem mal.
- Aiaiaiaiai, por quê?
- Tu ia acabar trocando cobra por minhoca e babau.
- Putz, tu já tomou ácido?
- Não, eu nunca tomei nada. Tive minha primeira viagem mês passado. Segunda.
- Com o quê?
- A única coisa que já usei na vida.
- Viajou com maconha?
- Não viajei viajei.
- Hehehehehehehe. Assim... Eu tenho tudo, agora o que me resta é provar coisas que nunca provei. "Tenho tudo" é otimo. Só me falta uma casa, um amor, um gato, um cachorro, um emprego e dinheiro. Mas tenho tudo. Heiheiehihie.
- Heuheuehuehuehuehuehuheh. Claro.
- Hieheiheiehiehieheiheiehie. As coisas soh duram um dia comigo, um saco.
- Bom... quem sabe você não aprende assim a viver dia por dia. Meu deus; tenho que parar de assistir esses filmes. Viver "dia por dia"? Que merda é essa? Argh! Anyway...
- Ehehehehheehe. Liga não, também ando clichê.
- Como se não bastasse o que vem de fora, estamos usando jargões e pensamentos de comédias românticas.
- Heiehiehiehiehiheiheihie. Mas tudo bem, melhor assim.
- Pra quem?
- Sei lá. Ehiehiehiehiheihei. É melhor achar que é melhor.
- Tá; quem sabe assim não ficamos um pouco menos "jovens bruxas" e um pouco mais "Meg Ryan"... Bleargh.
- Hahahahaahhaa. Vamos fazer algo no reveillon.
- Bora.
- Se bem que quero arrumar um emprego e trabalhar nas férias.
- O quê? Afe, arruma aqui.
- Como? Aí não dá pra fazer nada.
- Por que não?
- Porque sei lá. Todos conhecem todos e só empregam quem conhecem. E eu não conheço ninguém pra me empregar. Será que eu consigo emprego de bargirl aí?
- E por que não?
- Sei lá, porque já deve ter o povo que trabalha.
- Vai que alguém tira férias.
- É, né... Posso tentar. Há décadas não entro no feirinha. Entrei agora. E o topic é o mesmo. Por que, hein?
- O mesmo? Porra... Eu também quase não entro mais no mirc.
- É sempre o mesmo...
- Ei, já vou... Xau - beijo.
- Humpf - beijos.
- Torçamos para um amanhã melhor.
- É né... É o jeito.

2 comentários:

DuduZinho disse...

Hehehehe...
Ta vendo, muitas vezes achamos que as nossas esperiencias nunca servirão para outras pessoas, ta ai, aqui é meu recanto de solidão, sempre passo por aqui para ler e pensar....
Abraços..

Thaïs disse...

Que bom que mesmo as minhas experiências menos nobres servem a outros além de mim ;)